Você sabia que… A passagem do cometa Halley foi considerada como um mau presságio na Inglaterra, em 1066?

Compartilhe
Prof. Pablo Michel Magalhães
Licenciatura em História - UPE
Especialização em Docência da Filosofia - UCAM
Mestrado em História - UEFS

O evento não tinha nada de incomum, muito menos era inédito à civilização medieval. Um corpo de luz celeste, cruzando os céus, visível a olho nu, admirava e assustava os espectadores, mas não significava o fim dos tempos ou a fúria de Deus, muito menos fazia com que as pessoas fugissem para esconderijos e partilhassem de histeria coletiva, como alguns teimam em sugerir. Homens e mulheres medievais não eram tão tolos assim, e já falamos aqui no site sobre o nível de conhecimento dos estudiosos na Idade Média sobre o planeta e o universo. O que havia, sem sombra de dúvidas, eram superstições das mais variadas em relação aos fenômenos naturais, principalmente por grande parte da massa às margens do conhecimento filosófico da época.

Quando um cometa riscou os céus ingleses, no ano de 1066, muito se especulou na corte. Haroldo II, recém coroado, era o herdeiro escolhido em vida pelo rei Eduardo, mas havia jurado fidelidade a Guilherme da Normandia, que pretendia alcançar o trono inglês. Quebrando o laço de vassalidade há pouco feito, Haroldo aceitou a coroação e tornou-se ele mesmo rei dos ingleses, atitude que fez com que Guilherme se enfurecesse, preparando uma das mais vitoriosas batalhas medievais: a Batalha de Hastings, em 1066.

Haroldo (à direita) faz seu juramento, e o duque Guilherme (sentado em seu trono, à esquerda) assiste. Tapeçaria de Bayeux (Fonte: site do Prof. Ricardo da Costa).

Segundo relato feito por Galbert de Brugues, em 1127, a cerimônia de vassalidade aconteceu da seguinte forma: “Em primeiro lugar, prestaram homenagem da seguinte maneira: o conde perguntou ao futuro vassalo se queria tornar-se seu homem, sem reserva, e este respondeu: ‘quero’; depois, estando as suas mãos apertadas pelas do conde, aliaram-se por um beijo. Em segundo lugar, aquele que havia prestado homenagem fez compromisso da sua fidelidade ao ‘avant-parlier’ do conde, nestes termos: ‘Prometo, pela minha fé, ser, a partir deste instante, fiel ao conde Guilherme e guardar-lhe, contra todos e inteiramente, a minha homenagem, de boa fé e sem dolo’; em terceiro lugar jurou o mesmo sobre as relíquias dos santos”.

Com esse ritual, Guilherme acreditava ter garantido suas aspirações ao trono inglês. No entanto, Haroldo sequer se sentiu culpado ao receber da assembléia dos poderosos do reino o direito de possuir a coroa real.

Bem, aqui entra nosso cometa Halley: pouco tempo após a coroação de Haroldo, os ingleses testemunharam a passagem de um corpo celeste iluminado pelos céus. Dentro de um contexto de recentes batalhas (contra os dinamarqueses), o evento natural foi tomado como um mal presságio, o que logo chegou aos ouvidos do rei recém coroado.

Populares observam admirados a passagem do cometa. Tapeçaria de Bayeux.

O destino pareceu atender ao presságio: de fato, Guilherme deslocou para a Inglaterra um grande exército, por meio de vários navios. À medida que singrava as águas do mar que separam a ilha britânica do continente, o conquistador normando arquitetava, com seus generais, a invasão do reino a partir do litoral.

Uma vez estando na ilha, os normandos empreenderam uma campanha dura, e venceram os exércitos anglo-saxões com relativa facilidade. Melhores armados, com um exército bem treinado e pronto para o assalto, os normandos sobrepujaram os bretões, em sua maioria, camponeses recrutados às pressas. Haroldo, que foi ao campo de batalha em uma manobra arriscada, acabou por ser atingido por uma flecha no olho (será que era isso que o cometa significava?), morrendo instantaneamente. Logo, os exércitos reais acabaram desbaratados pelos normandos.

Guilherme, após enfrentar focos de resistência de condes na Inglaterra, foi coroado rei, governando os ingleses a partir de sua terra, a Normandia. Foi este monarca que realizou o primeiro censo em terras inglesas, conhecido como Domesday Book, publicado em 1086.