“The Oscar goes to…”

Compartilhe
Por Thuanne Marinho

O Oscar, ou Academy Awards, é o prêmio mais almejado no mundo da indústria cinematográfica. Criado em 11 de maio de 1927 pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, em Los Angeles, Califórnia, a premiação anual acontece em reconhecimento aos excelentes profissionais do ramo, destacando os melhores em atuação, direção, música, fotografia, roteiro e é claro, os melhores filmes.

Este ano a grande premiação acontecerá no dia 24 de fevereiro no Teatro Kodak, como de costume, na cidade de Los Angeles (EUA) e será transmitida aqui no Brasil (na TV aberta) na Rede Globo. Entre os indicados ao prêmio destacamos o principal concorrente “Lincoln”, de Steven Spielberg, que disputa em 12 categorias. Entre os indicados, “Indomável sonhadora”, “O lado bom da vida”, “A hora mais escura”, “Os Miseráveis”, “As aventuras de Pi” e mais.

Em pouco mais de oito décadas, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas premiou clássicos que marcaram e marcam, até hoje, o cinema e seus admiradores. Foram 84 prêmios, 84 filmes que mereceram os títulos de melhores filmes, elenco, direção, fotografia, música e roteiros. É no clima do Oscar que, O Historiante traz a você uma seleção dos maiores clássicos que já ganharam o prêmio.

Asas (Wings, Ganhador em 1929)

Jack (Charles Rogers) e David (Richard Arlen) pertencem a classes econômicas diferentes. Jack acaba se apaixonando por Sylvia (Jobyna Ralston), mas ela está apaixonada por David. Mary (Clara Bow) é apaixonada por Jack. Tem início a 1ª Guerra Mundial, e os dois se tornam pilotos. Com a convivência dos dois rapazes, o que antes era rivalidade se transforma em amizade. Para ficar próxima de Jack, Mary também se alista no esquadrão feminino.

E o vento levou (Gone with the wind, Ganhador em 1939)

Narra a complicada vida de Scarlet O’Hara (Vivien Leigh), seus amores e desilusões em um período que tem a Guerra Civil Americana como pano de fundo. Clark Gable é Rett Butler, um vivido aventureiro que passa pela vida de Scarlet, em uma relação de amor e ódio marcada por conflitos ja clássicos e cenas inesquecíveis de amor. Praticamente o inventor das telenovelas, devido aos conflito constantes de emoções manifestadas e o romance como tema.

Casablanca (Ganhador em 1944)

A cidade de Casablanca, então localizada no Marrocos governado pela França de Vichy, era o penúltimo ponto na rota à América. Os refugiados que ali residiam necessitavam de um visto (Lettler of transit) para Portugal e, apenas em Lisboa, embarcariam em um navio para o Novo Mundo. E um dos locais de encontro era o bar Rick’s. Seu dono, Rick Blaine, é um homem que tenta não se envolver com a política, pois seu estabelecimento é frequentado por todos os tipos de cliente, como nazistas, aliados e ladrões, entre outos.

Sinfonia de Paris (An American in Paris, Ganhador em 1952)

Jerry Mulligan (Gene Kelly) é um pintor norte-americano que tenta a sorte grande na charmosa e imortal Paris. Jerry tem seu talento “descoberto” por uma rica mulher, que tem muito mais interesses em Jerry do que apenas em seus quadros. Ao mesmo tempo, ele se apaixona por Lise (Leslie Caron), uma jovem comprometida francesa. Vencedor de 6 Oscar: Melhor Filme, direção de arte, fotografia, roteiro original, trilha sonora e figurino.

Ben-Hur (Ganhador em 1960)

Na Judéia invadida pelos conquistadores romanos, o príncipe Ben Hur (Charlton Heston) tenta conduzir seu povo rumo à liberdade. Mas isso gera um conflito de interesses com o seu amigo de infância, Messala (Sthephen Boyd), agora um severo comandante dos exércitos de Roma. Preso, o príncipe é enviado para trabalhar como escravo, longe de suas terras e sua amada Esther (Haya Harareet). O pacífico Ben Hur transforma-se em um guerreiro forte e corajoso, disposto a enfrentar seus inimigos e reestabelecer a paz.

Vencedor de 11 Oscars, nas categorias de melhor filme, diretor, ator (Charlton Heston), ator coadjuvante (Hugh Griffith), direção de arte, fotografia, efeitos especiais, edição, trilha sonora e som.

O Poderoso Chefão (The Godfather, Ganhador em 1973)

Em 1945, Don Corleone (Marlon Brando) é o chefe de uma mafiosa família italiana de Nova York. Ele costuma apadrinhar várias pessoas, realizando importantes favores para elas, em troca de favores futuros. Com a chegada das drogas, as famílias começam uma disputa pelo promissor mercado. Quando Corleone se recusa a facilitar a entrada de narcóticos na cidade, não oferecendo ajuda política e policial, sua família começa a sofrer atentados para que mudem de posição. É nessa complicada época que Michael (Al Pacino), um herói de guerra nunca envolvido nos negócios da família, vê a necessidade de proteger o seu pai e tudo o que ele construiu ao longo dos anos.

O Último Imperador ( The Last Emperor, Ganhador em 1988)

O aclamado diretor italiano Bernardo Bertolucci nos brinda com esta grandiosa adaptação da história real de Pu Yi, último imperador chinês, deposto no século XX, quando um golpe revolucionário fez surgir a república na China. Nomeado imperador aos três anos de idade, Pu Yi viveu enclausurado na Cidade Proibida até os 24 anos quando foi forçado a abandonar o luxo e a segurança da realeza, passando a vivenciar as dificuldade e os sonhos daquele novo mundo além das muralhas do palácio.

A Lista de Schindler (The Schindler’s List, Ganhador em 1994)

É a história real e emocionante do empresário Oskar Schindler, que num gesto humanitário de extrema ousadia salvou milhares de judeus, ao mesmo tempo em que contava com o apoio de nazistas. Aparentando desinteresse pela política e fingindo explocar o baixo custo da mão-de-obra judia, o que Schindler fazia era empregar inocentes que de outra forma morreriam nos campos do holocausto.

“A lista de Schindler” é o maior trunfo cinematográfico do diretor Steven Spielberg, vencedor de sete Oscars, e que finalmente o consagrou na Academia.

Confira a lista completa, aqui!!!