A ascensão dos ideais nazi-fascistas na Europa

Compartilhe

Texto 1Série Segunda Guerra Mundial

Prof. Pablo Michel Magalhães 
Licenciado em História - UPE 
Especialista em Docência da Filosofia - UCAM 
Mestre em História - UEFS

“VAMOS COMEÇAR COLOCANDO UM PONTO FINAL”

Não poderíamos começar esta série de outra forma: em 1919, numa cinzenta manhã de junho, dia 28, o Palácio de Versalhes, na França, seria palco (mais uma vez) para a assinatura de um tratado de paz. Desta vez, não estão presentes apenas duas nações, como ocorreu nas guerras Franco-Prussianas, em que o então jovem Império Alemão havia subjugado a França de Luís Bonaparte; desta vez, a guerra tinha sido muito mais cruel, muito mais violenta e, de fato, global. Até então, não havia ocorrido nenhum conflito que envolvesse mais que duas nações, tampouco alguma guerra que perdurasse por mais que um ou dois anos (franceses e prussianos combateram entre 1870 e 1871, não mais que isso).

Pois é, queridos, estamos tratando aqui do acordo de paz que selou oficialmente o fim da Primeira Guerra Mundial e que, sem dúvidas, forneceu argumentos para que sua continuação ocorresse a partir de 1939.

Pela primeira vez, várias nações haviam ocupado o mesmo palco beligerante. Também pela primeira vez, uma guerra total foi desenvolvida: toda a população estava mobilizada para o conflito, e qualquer civil era um potencial soldado; as produções de maquinário de guerra e suprimentos para as tropas era desenvolvidas em grande escala; não havia mais uma divisão clara entre campo de guerra e campo civil, e cidades inteiras foram varridas pela Grande Guerra.

Da esquerda para a direita: Lloyd George (Grã-Bretanha), Vittorio Emanuele Orlando (Itália), Georges Clemenceau (França) e o americano Woodrow Wilson.

À ocasião da assinatura do Tratado, em Versalhes, estiveram presentes os representantes das 4 nações vitoriosas na Primeira Grande Guerra: EUA, França, Grã-Bretanha e Itália. Dentre as principais cláusulas (foram 440, um encargo absurdamente pesado para a derrotada Alemanha), destacamos as seguintes:

  • Admissão de culpa e responsabilidade única da Alemanha pela ocorrência da Grande Guerra;
  • Proibição da união entre Alemanha e Áustria;
  • Compromisso de reparações financeiras a definir (especialistas falam em uma quantia superior a 20 bilhões de dólares);
  • Concordância com julgamento internacional do Kaiser e de outros líderes de guerra;
  • Devolução da Alsácia e da Lorena à França;
  • Cessão de Eupen-Malmedy à Bélgica, de Memel à Lituânia e do distrito de Hultschin à Checoslováquia;
  • Entrega da Poznania, Silésua setentrional e Prússia oriental à Polônia restabelecida;
  • Entrega das possessões ultramarinas na China, África e Pacífico;
  • Transformação de Danzig em cidade livre;
  • Desmilitarização permanente e ocupação aliada por 15 anos da província do Reno;
  • Limitação do Exército Alemão a 100.000 homens, para segurança interna, sem tanques, sem artilharia pesada, sem suprimentos de gás, sem navios ou aviões;
  • Limitação da Marinha Alemã a belonaves inferiores a 100.000 toneladas e proibição de submarinos.

Tais imposições tinham um claro e evidente intuito: garantir que a Alemanha jamais pudesse reaver sua posição de grande potência mundial, abrindo maior espaço para os países que saíam como “vitoriosos” da Grande Guerra (vitória bastante relativa, pois todas as nações envolvidas no conflito saíram destruídas quase que por completo, à exceção dos EUA, distante geograficamente do palco da guerra e que teria, até 1929, um boom de crescimento sem precedentes). Subjugá-la, desmembrá-la, reduzi-la economicamente e enfraquecê-la militarmente: essas ações foram cuidadosamente tomadas para que um novo enfrentamento bélico pudesse se repetir.

Mas, precisamos fazer algumas ressalvas: primeiro, apesar de algumas nações se considerarem vitoriosas, nenhuma saiu do conflito triunfante sobre as demais. A Europa estava completamente destruída, a economia extremamente enfraquecida, muitos cidadãos em idade adulta haviam morrido no campo de batalha, cidades estavam devastadas. A belle époque havia sido varrida do mundo civilizado europeu por meio de bombas, de gases mortíferos, de granadas, de tanques de guerra e da violenta disputa de baionetas nas trincheiras.

Que tal darmos voz a alguém que esteve no campo de batalha? Acompanhem um trecho da carta do estudante alemão Hugo Steinthal, enviada do front a seus familiares, presente no livro A Sagração da Primavera, de Modris Eksteins, na página 223:

“Quem quer que tenha estado nas trincheiras tanto tempo quanto a nossa infantaria, e quem quer que não tenha perdido o juízo nesses ataques infernais, deve ter pelo menos ficado insensível a muitas coisas. Quantidade demasiada de horror, quantidade excessiva do incrível arremessada contra nossos pobres camaradas. Para mim é inacreditável que isso possa ser tolerado. Nosso pobre cérebro simplesmente não é capaz de absorver tudo isso”.

Pois bem, vemos na fala dessa testemunha ocular os estragos físicos e psicológicos que ele e seus camaradas puderam sofrer durante a Primeira Grande Guerra. Quem leu a série anterior (clique aqui para ler!) pôde ver que toda a sociedade (intelectuais, políticos, militares, o povo comum) pedia que sua nação disputasse uma curta e gloriosa guerra. Mas, o conflito se revelou lento, traumatizante, cruel e nada glorioso. De apoiadores da batalha, os cidadãos europeus passaram a temer seus resultados e desejar que seu fim chegasse logo. Uma triste conclusão de que tudo estava indo errado.

Bem, por que estou falando tanto, ainda, em Primeira Guerra? Simples: é a partir dela que a Segunda Guerra Mundial tem seu início. Vejamos…

Em 1914, em meio às comemorações pelo início da Primeira Guerra Mundial, um jovem Hitler exultava de alegria.

UM INFLAMADO ITALIANO, UM JOVEM AUSTRÍACO.

Com o fim da Primeira Guerra, uma série de fatores promoveu o nascimento de ideologias nacionalistas, ligadas à extrema direita em países europeus. Destes fatores, a miséria e a depressão econômica, em especial na Alemanha e na Itália, fomentaram ideais que, hoje, intitulamos de fascistas. Mas, afinal, o que é fascismo?

Comumente, definimos este como uma ideologia de governo, desenvolvida primeiramente na Itália e tendo como seu principal líder político Benito Mussolini. Dentre suas características principais, está a ideia de um Estado forte, centralizado, controlador e repressor. Segundo o próprio Mussolini, “tutto nello Stato, niente al di fuori dello Stato, nulla contro lo Stato” (Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado). Anti-socialista, apesar de o próprio Mussolini e alguns dos seus aliados terem sido socialistas fervorosos até 1920, antiliberal, ao suprimir os direitos constitucionais do povo e submetê-los ao poder do Estado, o fascismo alinhava-se com a extrema direita, sendo ultraconservador (mulheres, segundo a ideologia fascista, deveriam estar em casa, cuidando do marido, dos filhos, e tratando de engravidar mais: Mussolini precisaria de soldados em grande quantidade!).

Devemos notar, no entanto, algo que pode soar como novidade para você, caro leitor: o fascismo criado na Itália, o primeiro de todos os que iriam nascer e crescer na Europa, não tinha, até 1940, a ideia de raça superior, pura. De acordo com o historiador Eric J. Hobsbawm, esta característica só viria a ser encontrada em seu partido irmão, o Nacional Socialista (Nazista), na Alemanha, sob a liderança de Adolf Hitler.

Precisamos ressaltar também que os ideais fascistas tiveram grande desenvolvimento, e adquiriram um caráter universal (movimentos de cunho fascista passaram a acontecer em diversos outros países, sem, contudo, tanta força política como na Itália e na Alemanha), principalmente durante o período de depressão econômica, após a Primeira Guerra Mundial. Assim, diante da miséria popular, do colapso das instituições nacionais e da ineficiência do Estado em conduzir a nação, grupos minoritários passaram a contestar a liderança política de seus países e, de início, utilizaram-se dos trabalhadores e operários (as massas pobres) para alavancar seus ideais.

Tanto na Itália quanto na Alemanha, os partidos com ideologia fascista iniciaram suas atividades clamando a união dos trabalhadores contra o governo ineficaz de seus respectivos países. Com o passar do tempo é que os fascistas, tendo posse do poder estatal, começavam a dar mostras de que havia um abismo entre fascismo e classe trabalhadora (impedimento de criação de associações e sindicatos, proibição de greves, supressão dos direitos trabalhistas dos operários e maior autoridade aos donos de fábricas e empresas foram algumas medidas dos governos fascistas).

Na Itália, Mussolini chegou ao poder em 1922, após realizar a famosa Marcha sobre Romae fomentar o terror contra os socialistas com sua divisão militar, os camicie nere (camisas negras). Essas ações renderam-lhe a nomeação como primeiro-ministro, e em 1925 já passava a ser chamado de Duce (líder). É interessante notar que o estilo político fascista de Mussolini era bem visto por nações como França e Inglaterra, e havia grupos que simpatizavam-se com a ideologia fascista. Isso só vai mudar em 1936, quando a Itália se alinha à Alemanha nazista.

Bem, agora falei outra coisa significativa. Por que Alemanha nazista? O que seria esse Nazismo? Apenas mais um regime fascista? Vamos refletir.

Mussolini e seus partidários italianos exerceram uma influência tão grande que seus ideais foram exportados para outros países. Dentre eles, a Alemanha. Neste país, o fracasso da República de Weimar, os estragos sociais, econômicos e culturais da Primeira Guerra Mundial, o espírito revanchista que pairava sobre boa parte da população e, para completar, a crise econômica mundial na década de 1930, forneceram um ambiente propício para o desenvolvimento de ideias radicais.

Em 1918, uma agremiação política chamada Comitê Livre para uma Paz dos Trabalhadores Alemães havia sido criada, e seus fundamentos em muito se assemelhavam aos ideais socialistas. Em 1919, seu nome foi oficialmente modificado para Partido Alemão dos Trabalhadores, e recebia em seu grupo um jovem membro austríaco, que trabalhava para a inteligência alemã: Adolf Hitler. Identificado com as proposições dos líderes do Partido Alemão dos Trabalhadores, ele vem a filiar-se em 1920, e em 1921 já é seu líder mais inflamado.

Carteira oficial de filiação, de Adolf Hitler, no Partido Alemão dos Trabalhadores.

A partir daí, o caráter socialista do partido se modifica, e o grupo passa a adotar uma política violenta e radical, baseada na intimidação pela violência. Preso em 1923, após a tentativa frustrada de tomada do poder (o golpe da cervejaria), Hitler escreveu o livro Mein Kampf, onde delineia seus ideais principais e que viriam a integrar o programa político Nazista, tal qual conhecemos. Em 1925, saído da prisão, refunda o partido, agora sob o nome de Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores.

Os “trabalhadores” do título nada mais eram que uma desculpa para mobilizar as massas. O partido apresentava profundos ideais fascistas, em muito baseados no fascismo italiano, de Mussolini: anti-socialismo, antiliberalismo, ultra conservadorismo, centralizador e totalitário. Porém, Hitler e seus aliados inseriram a divisão racial como característica fundamental: a Alemanha era uma nação superior, composta pela raça ariana, que teria a responsabilidade de subjugar as demais nações inferiores. Para tal, uma série de minorias deveriam ser escravizadas (judeus, ciganos, eslavos, homossexuais e doentes mentais) e exterminadas (a Solução Final). Esse ideal racista é decorrente, em muitos aspectos, da xenofobia que já existia na Europa. Com a imigração permanente ou sazonal entre nações, principalmente judeus, o sentimento de ódio aos estrangeiros começou a desenvolver-se fortemente, principalmente pelos abalos econômicos (o estrangeiro tirava o trabalho do compatriota, pensavam).

Até 1936, a Itália tinha entre seus políticos e entusiastas fascistas grande parte de judeus. Após a aliança com a Alemanha de Hitler é que a questão racial passou a ser praticada também por Mussolini. Mas, em sua essência, o fascismo não apresentava qualquer teoria racial.

Hitler e aliados, no dia do Golpe da Cervejaria. Os nazistas tentaram, através de um golpe, tomar o poder em Munique. O engraçado é que esse golpe falhou, mas os nazistas conseguiriam, em 1933, chegar ao poder por meio do voto!

Uma outra diferença bastante clara: o fascismo de Mussolini via a sociedade como submissa ao Estado, sendo este o único fim para a atividade social (nada além do Estado). Já o nazismo encarava a si e ao Estado como instrumentos para um fim diferente: a soberania da população ariana, e o bem estar desta. Resumindo: no fascismo, o Estado é o fim para tudo; no nazismo, o Estado é um instrumento, um meio, para um fim.

E ELES CHEGARAM AO PODER… LEGALMENTE!

Do golpe frustrado em 1923, até a votação e a maioria parlamentar e Hitler como chanceler, em 1933, decorreram 10 anos de campanhas nazistas e mobilizações políticas. É preciso ressaltar que, nesse mesmo período, a República de Weimar (Alemanha) andava de mal a pior, e a crise econômica mundial havia complicado a vida de muitos alemães. Os nazistas e seus discursos inflamados adquiriram um grande espaço no país, até chegar ao poder legalmente! (eleição após eleição, adquiriam números expressivos de votos!).

Na Itália, Mussolini já era líder máximo, adotando em 1936 o tratamento de “Sua Excelência Benito Mussolini, Chefe de Governo, Duce do Fascismo e Fundador do Império”.

Com os ideais fascistas e o poder do nazismo em uma nação potencialmente grande, a Segunda Guerra começava a ser encaminhada.

Para finalizar, convido você a assistir aos seguintes vídeos: os 2 primeiros mostram Mussolini e Hitler, diante de platéias quase infinitas, vociferando seus ideais fascistas (observem que os dois são oradores habilidosos, e inflamavam o público com seus gritos); o último, é a paródia que Chaplin fez sobre a Alemanha Nazista, no filme O Grande Ditador. No filme, Chaplin faz do discurso final um grande ataque aos ditadores totalitários fascistas, em especial o próprio Hitler, transmitindo uma mensagem de paz e democracia.

Texto 2: Guerra total, guerra mundial: batalhas aéreas, navais e terrestres em todo o globo.