Quando a História inspira a arte… Game Of Thrones e suas similaridades históricas

Compartilhe
Prof. Cleber Roberto SIlva de Carvalho
Licenciatura em História - UPE
Especialização em História do Brasil - Faculdade Montenegro

Guerra, luta entre duas famílias, traições, intrigas na corte, fuga desesperada do herdeiro da coroa, disputa entre religiões, execuções… Com todos estes “ingredientes” poderíamos dizer que estamos falando da série  Game of Thrones, baseada nas Crônicas de Gelo e Fogo do escritor George R. R. Martin. Mas estamos falando de História, da ascensão da Dinastia Tudor, um dos mais dramáticos e gloriosos períodos da história da Inglaterra.

Começamos nossa viagem com a violenta Guerra das Rosas, que opuseram  as Casas de York e Lancester (seria uma influência para a guerra entre Stark e Lannister???) pelo poder na Inglaterra.  As diversas batalhas fizeram, por várias vezes, a balança da vitória pender para uma casa e para outra. A vitória decisiva na Batalha de Tewkesbury colocou o poder nas mãos dos iorquistas, o que forçou Henrique Tudor, herdeiro Lancaster, a fugir da Inglaterra (uma nova influência para fuga de Daenerys Viserys Targaryen após a derrota do irmão na Batalha do Tridente).

Mesmo no exílio, Henrique teve que fugir e lidar com fugas dramáticas, uma delas ao ser avisado pelo Bispo Morton de Ely, sendo forçado a fugir disfarçado de pajem, com seus inimigos em seu encalço.

Após conseguir fugir de seus inimigos, Henrique deu início ao plano de conquistar o trono inglês. Desembarcando no País de Gales, conseguiu arregimentar aliados até fazer frente a Ricardo III, atual rei inglês, na Batalha de Bosworth Field, e mesmo com um número menor de homens, ele conseguiu a vitória decisiva na Guerra das Rosas, culminando com a morte de Ricardo III.

Avançando um pouco no tempo, temos Henrique VIII Tudor. Seria ele uma inspiração para o Robert Baratheon???

Henrique VIII  é tradicionalmente conhecido como responsável pela ruptura com a Igreja Católica, sendo o fundador da Igreja Anglicana, seguindo-se ao confisco das terras pertencentes a Igreja Católica, e o próprio Henrique VIII se colocou como Líder da Igreja da Inglaterra, ou Anglicana.

Henrique VIII de Inglaterra

Mas vamos a algumas “similaridades” entre o rei inglês e o usurpador da coroa de Westeros. Henrique VIII foi casado com Catarina de Aragão, mas não conseguiu ter um filho com a sua primeira esposa, sendo conhecido por ter várias amantes, e de se separar de Catarina para se casar com uma de suas amantes Ana Bolena. Robert Baratheon não se separou de sua esposa, mas tinha várias amantes e bastados, e a sua rainha, Cersei Lannister, também não teve filhos com o rei e sim com o próprio irmão, Jaime.  Henrique VIII recebeu o reino com as finanças em dia, com muitas reservas, mas a vida repleta de grandes festejos e uma campanha militar contra a França ajudaram a depauperar os cofres reais e quando o mesmo morreu estes cofres estavam vazios… Robert Baratheon, também, havia recebido um reino com as contas sanadas, e realizado uma campanha militar, para reprimir a Rebelião Greyjoy, mas, também, a vida de exageros levou a coroa a ficar totalmente sem dinheiro e devendo aos Lannisters, outra coincidência que podemos ver é que ambos possuíam bom físico durante a juventude, que foi perdida ao longo dos anos, sendo substituída por cinturas com circunferência mais “avantajadas”.

Não param por ai as coincidências. O sucessor de Henrique VIII foi seu filho, Eduardo VI. Mas, pela pouca idade, não pôde assumir a coroa, sendo o governo mantido, inicialmente, pelo ambicioso lorde Protetor Eduard Seymour, que após acusações de tentar depor o rei, foi executado e substituído pelo Lorde Presidente, não menos ambicioso, Jonh Dudley. Após o Eduardo VI ser diagnosticado com tuberculose, doença sem cura na época, se deu início a uma desesperada busca de Dudley por um sucessor ao trono inglês, com o intuito de não perder seu poder e influência junto a coroa, sendo que o próprio Dudley substituiu os médicos do jovem rei por uma charlatã que ministrava uma mistura com arsênico, que é venenoso, para manter o rei vivo tempo suficiente para Dudley terminar sua trama, que foi continuada com a decisão de que a sucessora seria lady Jane Grey, uma “peça” que poderia ser manipulada por ele em seu jogo de poder.

Interrompendo esta história lembramos que Joffrey Baratheon não governava, na verdade ele era, também, uma peça do jogo de seu tio Twyin Lannister, e após a morte de Joffrey, que foi envenenado, foi substituído por seu irmão, Tommen, que era manipulado por seu tio, e após a morte de Twyin, foi manipulado por sua prometida esposa Margareth Tyrell e por sua mãe Cersei Lannister.

Não podemos esquecer que a casa Baratheon assumiu o trono depois da queda de Aerys II Targaryen, um rei que teve um início de governo promissor, com paz e prosperidade para Westeros, mas ao passar dos anos a loucura do rei aumentou, e após o cativeiro no Desafio do Valdocaso a insanidade de Aerys II aumentou, juntamente com sua crueldade, ao ponto de queimar vivo todos que considerasse opositor ou conspirador.

Mary Tudor

Quando Mary Tudor assumiu o trono da Inglaterra, também foi recebida com efusivo êxtase do povo, em especial dos católicos, mas sua repressão contra os protestantes, e a revalidação das leis medievais de heresia, levaram centenas de pessoas a serem queimadas vivas. Somasse a isto a “paranoia” de uma imaginaria gravidez da rainha Mary. Seu reinado teve fim após cinco anos, com sua morte.

Temos outros fatos baseados em história medievais. Já muito comentado e debatido, foi o do Casamento Vermelho, onde o proclamado rei do Norte, Robb Stark, foi traído e assassinado, juntamente com seus homens, durante a celebração de casamento do seu tio Edmure Tully, O próprio Martin disse que o Casamento Vermelho foi inspirado no Jantar Negro de 1440. O rei da Escócia, na época Jaime II, por ser muito jovem (com apenas 10 anos) tinha a tutela de guardiões, e estava em guerra contra o clã dos Douglas. Numa tentativa estabelecer a paz, foi oferecido um jantar, sendo convidado o conde de Douglas e seu irmão. Próximo ao final da celebração foi levado para o conde um prato coberto, onde estava a cabeça de um touro negro, que nas tradições escocesas significa a morte. O conde foi arrastado para o pátio, mesmo com os protestos do jovem Jaime,  e ali foi decapitado.

Outro tema bem debatido foi a Batalha na Baia da Água Negra, quando as defesas do Porto Real conseguiram rechaçar um ataque das forças de Stannis Baratheon, onde foram utilizadas embarcações com fogovivo, liquido inflamável, para repelir as principais embarcações que realizavam a ofensiva. Esta batalha foi inspirada numa ofensiva muçulmana contra Constantinopla, quando os defensores da cidade utilizaram uma mistura altamente inflamável, chamada de fogo grego, para conseguir rechaçar os inimigos.

Como todas estas influências e similaridades, será que George R. R. Martin irá se inspirar em outro personagem da família Tudor para concluir As Crônicas de Gelo e Fogo??? Será que Daenerys Targaryen será inspirada na grande Elizabeth I da Inglaterra ou em Henrique VII??? Saberemos apenas nos próximos capítulos das Crônicas…