Plano de aula – O império Português e o projeto da França Equinocial

Compartilhe
Prof.ª Joyce Oliveira Pereira
Licenciada em História - UFMA
Mestre em História, Ensino e Narrativas - UEMA

Disciplina: História                                                                                   

Duração da Aula: 45 a 55 minutos aproximadamente.

Objetivos Explanar a importância da ocupação do Maranhão nos séculos XVI e XVII;
·         Expor a presença francesa no Maranhão;
·         Contextualizar a discussão.
Conteúdo Definição do território Maranhão à época;
·         União Ibérica e inimigos de Castela;
·         Presença francesa antes de 1612;
·         O projeto da França Equinocial;
·         400 anos de São Luís.
Metodologia    Aula Dialogada;
·         Leitura e interpretação de textos complementares;
Recursos ·         Quadro Branco;
·         Pincel;
·         Fotocópias;
·         Jornais;
·         Revistas.
Avaliação ·         Participação;
·         Confecção de um pequeno texto sobre o conteúdo explanado.

Observações

1. O ponto a ser mais enfocado nesta aula é a atualidade do tema: em 2012, comemorou-se os 400 anos de São Luís e por isso há disponível muito material a ser trabalhado (matérias de jornal, reportagens);

2. Inicialmente, deve-se destacar a importância do território e a extensão do que era chamado de Maranhão à época (bem mais abrangente do que a delimitação atual). Enfoque a ‘competição’ entre os países europeus pela conquista e posse do território e o porquê desta ‘disputa’ (demonstrar a vantagens econômicas que o território proporcionava);

3. Não se deve esquecer que neste momento histórico o território do Maranhão, estava sob domínio de Espanha devido à União Ibérica e, que muitas dessas invasões levavam em conta os conflitos entre Espanha e os outros países europeus;

4. Atualmente, novas pesquisas têm apontado a circulação de estrangeiros no Maranhão antes de 1612. No caso dos franceses, havia uma feitoria chamado de Miganville que serviu de ponto de apoio para a vinda da expedição de 1612 com Daniel de La Touche. Sobre isso, ver:

Vinhais Velho: achados arqueológicos. Disponível em http://cev.org.br/comunidade/historia/debate/vinhais-velho-achados-arqueologicos.

5. Neste momento, a explicação sobre o projeto francês para o território deve ser feita. Para tal, ver:

DAHER, Andréa. O Brasil francês. As singularidades da França Equinocial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

6. Trazendo novos conteúdos, pode- se destacar os diferentes modos de guerrear do francês (Guerra de Flandres) e do português (Guerra Brasílica), bem como o mito do ‘Milagre de Gaxenduba’ que ajudou na expulsão dos franceses. Sobre isso ver,

LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. Jerônimo de Albuquerque Maranhão: guerra e fundação no Brasil Colonial. São Luís, UEMA, 2006.

7. Explorar a polêmica em torno da fundação de São Luís que possuiu duas vertentes: 1612 ou 1615. Para saber mais,

LACROIX, Maria Lourdes Lauande.  Fundação Francesa de São Luís e seus Mitos. 3. ed. São Luís: Editora UEMA, 2008.

8. Com as matérias selecionadas, podemos fazer exercício de interpretação das fontes que pode resultar desde um texto até um trabalho mais complexo a ser apresentado. Deve-se pesquisar as comemorações organizadas pelos poder estadual, municipal, anúncios publicitários.

Bibliografia sugerida

Fontes Primárias

Impressos

A rendição dos franceses no Maranhão. São Luís: Instituto Geia, 2010.

MORENO, Diogo de Campos. Jornada do Maranhão. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2011.

DAHER, Andréa (Org.). Papéis da Conquista do Maranhão (1612-1624). São Luís: AML, 2009.

Livros

BOXER, Charles.O império Marítimo português, 1415, 1825. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CARDOSO Alírio. A Conquista do Maranhão e as disputas atlânticas na geopolítica da União Ibérica (1596-1626). Revista Brasileira de História, v. 31, p. 317-338, 2011.

DAHER, Andréa. O Brasil francês. As singularidades da França Equinocial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

LACROIX, Maria de Lourdes Lauande. Jerônimo de Albuquerque Maranhão: guerra e fundação no Brasil Colonial. São Luís, UEMA, 2006.

MEIRELES, Mário. França Equinocial. 2ª edição. São Luís: Civilização Brasileira, 1982.