Quem foi Oswaldo Cruz?

Compartilhe

Oswaldo Gonçalves Cruz foi um cientista, médico, bacteriologista, epidemiologista e sanitarista brasileiro. Foi pioneiro no estudo das moléstias tropicais e da medicina experimental no Brasil.

Nasceu em 5 de agosto de 1872, em São Luís de Paraitinga, São Paulo. Aos 20 anos formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, seguindo a profissão do pai, Bento Gonçalves Cruz. Inaugurou a pesquisa científica no Brasil, publicando artigos sobre microbiologia e concluiu o curso com a dissertação ‘Veiculação Microbiana pelas Águas’. Já revelava seu talento e interesse pela área e especializou-se em Microbiologia, sua paixão desde os 15 anos, no Instituto Pasteur de Paris.

Em 1902, quando o paulista Francisco de Paula Rodrigues Alves tomou posse como presidente dos Estados Unidos do Brasil, a capital do país o Rio de Janeiro, tinha ruas sem calçamento, esgotos lançados a céu aberto, poças de água estagnada cheias de insetos. Tudo isso castigava os 700 mil cariocas com surtos epidêmicos de peste bubônica, varíola e febre amarela. Só a febre mataria naquele ano quase mil pessoas.

Para cuidar da reurbanização, Rodrigues Alves nomeou prefeito o engenheiro Pereira Passos. Para cuidar da reforma sanitárias, seu ministro do Interior. J.J. Seabra, indicou-lhe um certo Oswaldo Cruz. O nome fora recomendado pelo médico particular do ministro, Egídio de Sales Guerra.

No combate a febre amarela implantou medidas sanitárias iniciando com 85 homens, os famosos ‘mata – mosquitos’, com o emblema de uma cruz nos bonés. Eles percorriam quintais, jardins, sótãos e porões, aplicando inseticidas. Lacravam caixas-d’água, jogavam petróleo nos alagados e removiam os doentes para hospitais de isolamento. Era uma verdadeira revolução na ainda provinciana cidade.

Foi diretor do Instituto Soroterápico Federal durante 14 anos, posteriormente, Instituto Oswaldo Cruz, em Manguinhos. Em 1904, um surto de varíola fez com que Oswaldo Cruz buscasse conter novos casos através da imunização. Foi muito criticado pelos jornais da época e pelo congresso, que protestaram. Foi organizada a ‘Liga contra a vacinação obrigatória’, que culminou com a Revolta da Vacina.