A Guerra da Lagosta

Compartilhe
Prof. Cleber Roberto Silva Carvalho
Especialista em História do Brasil

O Brasil e a França à beira de um conflito armado

A guerra da Lagosta, como foi denominada pela imprensa na época, foi uma contenda entre os governos do Brasil e da França entre os anos de 1961 e 1963. Este episódio foi motivado pela captura ilegal de lagostas, por embarcações de pesca francesas no litoral brasileiro.

Após alerta de pescadores brasileiros, um navio da Marinha flagrou barcos franceses pescando lagosta clandestinamente na costa de Pernambuco, em águas territoriais brasileiras.

O episódio passou a ser referido nos meios de comunicação brasileiros como a Guerra da Lagosta. A imprensa francesa apresentava os protestos dos pescadores de lagostas sobre os seus supostos direitos de pesca.

Contudo a disputa saiu dos meios de comunicação e relações diplomáticas e avançou para área militar, onde ambas as nações chegaram a mobilizar os seus recursos bélicos.

O primeiro movimento foi da França, que deslocou um contingente naval, mantido em prontidão, para uma área vizinha à região em conflito.

Em 1961, o presidente Jânio Quadros, preparou um plano secreto para uma invasão e anexação da Guiana Francesa pelo Brasil. A operação chegou a entrar em fase de treinamento militar, mas foi abortada pela inesperada renúncia de Quadros.

No Brasil, a opinião pública percebeu a situação como uma agressão da França aos direitos de soberania brasileiros. O presidente João Goulart após reunião do Conselho de Segurança Nacional, determinou o deslocamento para a região de forças da Marinha, com apoio da Força Aérea. Em terra, o 4° Exército sob o comando do general Humberto de Alencar Castello Branco, também se mobilizou.

Porém, apesar das diversas ameaças de um conflito bélico, a França recuou e o Brasil conseguiu impedir a captura de lagostas em seu litoral em março de 1963.