Revolução de Avis

Compartilhe
Artigo da Redação

Revolução de Avis (também conhecida como Crise de 1383), foi um evento responsável pela proclamação de João, Mestre de Avis, como rei de Portugal, pondo fim a crise sucessória em Portugal, consolidando a independência em relação ao Reino de Castela.

Na década de 1380, Portugal era governado por D. Fernando I, pertencente à dinastia Afonsina. O rei português teve apenas uma filha, Beatriz, oferecida em casamento ao rei de Castela, João I.
Em 1383, D. Fernando I faleceu sem deixar herdeiro homem, o que deu início a uma crise de sucessão. A lei portuguesa determinava que a viúva do rei, D. Leonor Teles, seria a regente até que o herdeiro de sua filha completasse 14 anos. No entanto, D. Leonor decidiu oferecer o trono português à princesa Beatriz, casada com o rei de Castela.

Essa decisão trouxe insatisfação para parte da sociedade portuguesa, uma vez que colocava em risco a independência de Portugal. Como consequência eclodiu em Portugal uma série de revoltas contra D. Leonor.

Essa revolta resultou no assassinato do Conde Andeiro, suposto amante de D. Leonor. O responsável pelo homicídio foi João, Mestre de Avis. Portugal dividiu-se entre apoiadores do Mestre de Avis e apoiadores de D. Leonor e João I de Castela.

A crise dinástica em Portugal seguiu até 1385. Nesse período, o rei de Castela conquistou o apoio francês, enquanto o Mestre de Avis conquistou o apoio dos ingleses.

O combate decisivo ocorreu em 14 de agosto de 1385, foi a Batalha de Aljubarrota. A vitória portuguesa consolidou o fim das ambições de João I de Castela ao trono português.

Após a vitória nessa batalha, João, Mestre de Avis, foi coroado D. João I, rei de Portugal. A crise dinástica teve fim, e uma nova dinastia foi iniciada em Portugal. A dinastia de Avis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *