Mafalda e a Democracia

Compartilhe
Prof. Pablo Michel Magalhães
Especialista em Filosofia - UCAM
Mestre em História - UEFS

E Mafalda ri até ir pra cama dormir, na continuação do quadrinho.

Quino tinha um olhar aguçado para as questões políticas em seu país, a Argentina, mas também em todo o mundo. Mafalda, ainda que um personagem infantil, ensinou pra muita gente que não há idade pra questionar as desigualdades presentes em uma sociedade.

Vamos nos ater ao tema deste quadrinho. Mafalda ri e muito diante da definição de democracia, que segue uma linha baseada na tradição grega da antiguidade.

Tirinha do Dia: Mafalda e a Democracia | Tirinhas, Deposito de tirinhas,  Quadrinhos
Tirinha da Mafalda, do cartunista Quino

Bom, se a democracia nasce como a soberania exercida pelo povo, na Atenas da antiguidade, berço deste pensamento, nem todo mundo era povo. Direitos políticos eram uma regalia dos cidadãos: homens, com mais de 18 anos, com posses, nascidos de pai ateniense (e mãe ateniense durante um período da História).Assim, mulheres, estrangeiros e escravos não faziam parte do povo, nem tinham qualquer soberania.

Muitos séculos depois, a democracia voltou a ser pauta de debates no contexto das revoluções liberais do século XIX. O pensamento liberal ampliaria a ideia de participação política, mas via com receio a inserção de classes trabalhadoras no processo político.Nobres e burgueses tomam as rédeas de um movimento que via educação e saúde como privilégios aos quais alguém tinha que estar à altura para usufruir. Os democratas do século XIX, vistos como radicais, lutaram por acesso universal a estes privilégios que eles chamavam de direitos.

Ainda assim, e mesmo com a hegemonia desta forma de governo, as democracias contemporâneas não foram capazes de introduzir a participação do povo de modo que este conseguisse se sentir representado plenamente.Mafalda ri, eu também, e talvez você, porque a soberania do povo ainda está longe do jogo democrático.

Mas, pra deixar claro, a democracia continua sendo, dentre os demais, um sistema mais abrangente e que melhor consegue contemplar a sociedade em que vivemos.Viva à Democracia e viva ao querido Quino!