Um mandato cassado por uma foto de cueca

Compartilhe
Da redação
Com informações de:
- History Channel
- Aventuras na História
- Migalhas
- O Globo

No ano de 1946, o deputado Barreto Pinto foi fotografado em trajes íntimos e acabou causando polêmica

A quebra de decoro é, nos dias de hoje, um dos motivos que mais levam à cassação de mandatos de políticos no Brasil. Mas o caso do grande pioneiro nessa categoria, o deputado Edmundo Barreto Pinto, do PTB do Distrito Federal, se destacou pela bizarrice.

O político, que era de Vassouras, interior do Rio de Janeiro, tinha recebido cerca de 200 votos, mas conseguiu se beneficiar com a sobra dos votos de Getúlio Vargas. 

Criador do Partido Trabalhista Brasileiro, lutou contra os jogos no Brasil e pela cassação do Partido Comunista.

Esse perfil sempre estimulou o interesse da imprensa. Dois jornalistas da revista O Cruzeiro, a mais prestigiada da época, resolveram fazer uma longa entrevista com o deputado. Queriam mostrar detalhes daquele polêmico parlamentar. Barreto Pinto não só topou, como entrou na pilha dos repórteres.

Foi em 1949 que a Câmara cassou, pela primeira vez, um mandato por falta de decoro parlamentar, e Barreto Pinto foi o pioneiro.

O motivo? O ousado deputado resolveu ceder a entrevista para a revista de uma forma “inusitada”: usando fraque e cueca samba-canção.

Intitulado “Barreto Pinto sem máscara”, o ensaio ganhou fama. À época, a pose de cueca foi considerada um escândalo.

Página do O Cruzeiro estampando as fotos do deputado / Crédito: Divulgação/Jean Manzon

Uma das imagens, por exemplo, mostrava o político sem camisa em uma banheira. Em outra, o homem aparecia de sunga na praia, com a legenda o apontando como “um tipo bem mal-acabado”, ressaltando seus “pés chatos”, a “barriga mole” e as “pernas cabeludas”.

Processo e cassação

Edição do jornal O Globo, de 27 de maio de 1949

O que aconteceu foi que, depois que surgiu o escândalo, o político passou a zombar da repercussão do caso, tendo, até mesmo, participado de uma peça de teatro repetindo a mesma combinação de roupas. O resultado disso tudo se revelaria três anos mais tarde, quando foi desligado da política.

Em própria defesa, o deputado teria dito que foi enganado pelo jornalista David Nasser, editor do impresso, e que pensou que a foto seria publicada apenas da cintura para cima.

Mas não foi o suficiente para sair ileso desta história: Barreto Pinto acabou sendo o primeiro deputado na história a ter o mandato cassado por quebra de decoro parlamentar. Mesmo com pressão do partido para levar o caso ao Judiciário, a decisão foi tomada na própria Casa Legislativa, em 27/5/1949, em sessão secreta da Câmara dos Deputados.

Disputas políticas

O deputado Barreto Pinto em foto polêmica / Crédito: Divulgação/Jean Manzon

Segundo relatou o jornalista Carlos Chagas à Rádio Câmara em 2006, como estava muito calor, os jornalistas haviam sugerido que o político tirasse a calça. “E, ingenuamente, o Barreto Pinto aceitou.”

“Eles queriam mesmo uma coisa ridícula e fotografaram o Barreto Pinto de casaca da cintura pra cima, com gravatinha branca e tudo, mas de cueca”, afirmou o jornalista.

No entanto, conforme explicou Chagas, o episódio da cueca não foi o que determinou a perda do mandato por parte do deputado. Segundo ele, o principal motivo para tal eram as disputas políticas com o PTB, do qual fazia parte o então senador Getúlio Vargas. Assim, a cassação se revelou como uma maneira de prejudicar Vargas.

Por mais que o partido tenha defendido Barreto Pinto, o plenário da Câmara decidiu que ele deveria deixar o cargo.

O argumento foi o de que, por mais que o deputado tivesse sido enganado, ele teria agido sem cautela quando permitiu que fosse fotografado pelos profissionais de uma revista com uma cueca.

Leia também (obras disponíveis na Amazon):

Livro Getúlio 1 (1882-1930), por Lira Neto (CLIQUE AQUI)

Livro Brasil: de Getúlio a Castello (1930-64), por Thomas E. Skidmore (Autor), Berilo Vargas (Tradutor)
(CLIQUE AQUI)

Livro Perfis brasileiros: Getúlio Vargas, por Boris Fausto (CLIQUE AQUI)