Quando os vikings estiveram na América

Compartilhe

Para além das sagas islandesas, parte da história oral dos povos nórdicos, não há muitas referências à presença viking na América.

Da redação
Com informações de El País e BBC

Um evento cósmico gravado em árvores milenares de todo o planeta permitiu datar com exatidão quando os vikings estiveram na América. Os pesquisadores não sabem quando chegaram nem quanto tempo permaneceram, mas os anéis da madeira de vários objetos mostram que os nórdicos se estabeleceram no que hoje é o norte do Canadá em 1021, há exatamente um milênio.

A evidência mais consistente é o sítio arqueológico de L’Anse aux Meadows (Enseada das Águas-Vivas), localizado na ilha de Terra Nova, no extremo nordeste do Canadá. Nas escavações, realizadas na década de sessenta do século passado, foram encontradas evidências de que essas casas haviam sido erguidas pelos vikings.


Uma dessas evidências é o corte angular e preciso nas madeiras, algo que só poderia ter sido feito com machados ou outras ferramentas de metal. E os habitantes originais da região desconheciam a metalurgia.

Devido à tradição oral e ao estilo arquitetônico das edificações, os historiadores acreditam que L’Anse aux Meadows foi construída por volta do final do primeiro milênio. Mas até agora a data exata era desconhecida.

Reconstrução do assentamento viking de L’Anseaux Meadows, no nordeste do Canadá. O sítio arqueológico é Patrimônio da Humanidade. GLENN NAGEL PHOTOGRAPHY

Aproveitando uma tempestade solar que atingiu a Terra no ano de 992, um grupo de cientistas conseguiu datar não quando os vikings chegaram à América, mas quando já estavam.

A inovadora e original forma de sabê-lo é explicada por Michael Dee, pesquisador da Universidade de Groningen (Holanda) e diretor da pesquisa:

“As árvores absorvem carbono da atmosfera e o incorporam em seus anéis durante seu crescimento”, diz este professor de cronologia por isótopos. Esta disciplina se apoia no fato de que vários elementos da tabela periódica variam sua composição atômica (isótopos) mediante radiação a uma taxa conhecida. “Parte desse carbono é radiocarbono”, diz Dee. E naquele ano os níveis dispararam.

Os detalhes da pesquisa foram publicados na última edição da revista Nature.

Relatos históricos vikings

A história de que os vikings cruzaram o Atlântico era antiga.

Aparece nas páginas das Sagas Nórdicas, a antiga coleção escandinava de mitos e lendas, que relata o auge da conquista e exploração viking há mil anos.

De acordo com as sagas, um Viking chamado Leif Erikson liderou uma expedição a partir de uma colônia nórdica na Groenlândia em direção ao oeste. Ele navegou por mares desconhecidos, em busca de terra e recursos para suprir as carências na colônia da Groenlândia.


Erikson teria, segundo as sagas, encontrado uma terra de florestas e pradarias, com riachos cheios de salmão. Por ter encontrado videiras de uvas silvestres, chamou o novo território de Vinlândia.

Há um mapa muito antigo, que é debatido se é realmente autêntico, chamado de o mapa de Skálholt, mostrando a Promontorium Winlandiae (“promontório ou cabo de Vinlândia”) e os Ingstand pensaram que era localizado na península nórdica da ilha de Terra Nova (na costa nordeste da América do Norte).

O mapa feito por Sigurd Stefansson, professor da escola em Skálholt, Islândia por volta de 1570

Acredita-se que o assentamento viking em L’Anse aux Meadows tenha existido por apenas 20 anos.

Hoje é patrimônio da humanidade e, perto das ruínas, foram feitas reconstruções de casas vikings com madeira e cobertas de grama, há cerca de um milênio.